O papa da usabilidade, Jakob Nielsen, realizou uma série de estudos sobre o comportamento do leitor na internet e chegou às seguintes conclusões:

  • O usuário lê, em média, só 20% do texto de uma página
  • O leitor “escaneia” a página num padrão “L” invertido ou “F”
  • 79% dos usuários tende a não ler textos completos
  • Os leitores são escaneadores (53%) ou metódicos (47%)

 

Com base nisso, Nielsen chegou à conclusão de que o melhor tipo de texto para a internet é o texto jornalístico padrão, aquele organizado em estrutura de pirâmide invertida, conforme a ilustração abaixo:

Na prática, isso significa textos objetivos, com lead claro e título direto. Isso não quer dizer que a web não aceita outros tipos de texto, mas sim que sites que visam conquistar leitores e que esperam que esses leitores acompanhem sua atualização constantemente terão mais chances de sucesso se seguirem esse modelo.

No caso de projetos jornalísticos, o uso do texto padrão facilita a navegação do usuário, tanto daquele que só escaneia a página quanto dos que são metódicos. Isso porque enquanto o lead mostra claramente ao leitor metódico o que o restante do texto promete entregar, o uso de recursos de usabilidade, como intertítulos e palavras-chave ajudam a conquistar a atenção dos escaneadores.

Algumas dicas importantes na redação de texto para web:

  • O leitor pode chegar até a notícia por vários caminhos
  • Importante informar data, local (nem sempre as páginas modelo da publicação contemplam essas informações)
  • Relacionar o texto com outras páginas relevantes
  • Cuidar para não “jogar” o leitor para fora do site
  • Organização da informação:Mais importante menos importante
  • Parte do que aconteceu para então apresentar os detalhes da ocorrência.
  • Captura a atenção do leitor interessado.
  • O leitor pode parar de ler a qualquer momento sem perder a principal informação do texto

 

Texto linear X Texto não-linear:

  • O texto impresso é sempre linear
  • Na web pode-se optar entre uma ou outra apresentação
    • Pode-se aplicar o conceito da pirâmide invertida na organização da informação de forma não linear também. A principal informação fica no texto de entrada e links levam ao aprofundamento do conteúdo.

Dicas importantes:

  • Os links não devem servir só para quebrar um texto grande em várias páginas web
  • Seja sucinto
  • Hierarquize a informação

 

Exemplo de uso da hierarquia na aplicação do hipertexto:

Caso da tragédia em Realengo – RJ

Hipertexto: é a ligação entre dois textos. Não é um texto restrito à internet. Um texto impresso (um livro de literatura), por exemplo, pode se relacionar com outros textos. No entanto, o termo hipertexto foi cunhado na década de 1960, por Theodore Nelson, para denominar a forma de escrita/leitura não linear na informática, pelo sistema “Xanadu”.

Na obra Esaú e Jacó, de Machado de Assis, a história bíblica dos dois irmãos serve de pano de fundo para a história de Pedro e Paulo. Na literatura, conhecer o texto referenciado na história ajuda o leitor a ter uma visão mais ampla do tema tratado. Na informática, o uso de hipertexto tem o objetivo de desvelar “camadas” extras de informação para aquele leitor interessado em se aprofundar no assunto.

Ao contrário da literatura, o hipertexto explora o texto não-linear. Ou seja, é o leitor que monta a seqüência na qual irá explorar as informações. Por isso o autor do conteúdo precisa ficar atento a isso. Por exemplo, se a sigla PROUNI (Programa Universidade para Todos) é relevante em todos os textos, é preciso que ela esteja detalhada em todos os textos. E não apenas no texto principal, como seria possível num texto jornalístico organizado de forma linear.

Tags:
Categories: jornalismo